segunda-feira, 30 de maio de 2011

Kit sensatez

 Diário Catarinense, 30/05/2011 - Florianópolis SC

O veto da presidente Dilma Rousseff ao kit educativo do projeto Escola Sem Homofobia divide a opinião pública. De um lado, encontram-se os defensores da diversidade e dos direitos humanos, lamentando que a presidente tenha se submetido a pressões religiosas. De outro, estão especialistas, inclusive os que aconselharam a presidente, argumentando que o material é equivocado por fazer uma apologia do homossexualismo, em vez de simplesmente oferecer informações claras sobre sexualidade. O caminho mais sensato é o do meio: cabe ao governo corrigir eventuais deformações, mas não pode privar escolas, professores e alunos de um material importante para o combate ao preconceito e à discriminação. Pesquisas de opinião pública cujos resultados ganham ênfase a partir desse mais recente episódio confirmam o quanto o tema ainda é considerado incômodo para a sociedade de maneira geral. A mais recente delas, realizada em 2009, revela que nada menos de 87,3% de alunos, mães, pais, professores, funcionários e diretores têm preconceito em relação à orientação sexual e identidade de gênero. Outro levantamento, ainda de 2004, mostra que 60% dos professores afirmam não ter conhecimento suficiente para lidar com a questão da homossexualidade em sala de aula. 

Por todas essas razões, é importante que as orientações sobre questões como a homofobia possam ser prestadas em casa, no âmbito da família. Mas, quando isso não é possível, a responsabilidade acaba sendo transferida para a escola, pois a educação é sempre útil no combate ao preconceito. Daí a importância de que os educadores, em sua maioria confessadamente despreparados, possam receber subsídios para contribuir com essa causa. O importante é que um Estado laico e não confessional como o brasileiro não continue a agir sob pressão num caso desse tipo. A contribuição que o poder público precisa dar nesse e em outros casos deve ser sempre a destinada a combater qualquer tipo de discriminação. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eu aguardo as sementes que você possa vir a lançar. Depois selecioná-las e plantar.