terça-feira, 24 de maio de 2011

Bartolomeu Campos de Queiroz



"Um pensar estrangeiro andou atordoando 

meu pouco entendimento. Ir para a escola 

era abandonar as brincadeiras sob a sombra 

antiga da mangueira; era renunciar o debaixo 

da mesa resmungando mentiras com o 

silêncio; era não mais vistoriar o atrás da casa 

buscando novas surpresas e outros convites. 

Contrapondo-se a essas perdas, havia a 

vontade de desamarrar os nós, entrar em 

acordo com o desconhecido, abrir o caderno 

limpo e batizar as folhas com a sabedoria da 

professora; diminuir o tamanho do mistério, 

abrir portas para receber novas lições, destra-

melar as janelas e espiar mais longe. Tudo isso 

me encantava”.

Bartolomeu Campos de Queiroz


Um comentário:

  1. Eu tinha todas essa contradições e vivia semelhantes emoções quando era criança. Que jeito bonito que Bartolomeu Campos de Queiroz usou para o dizer.

    ResponderExcluir

Eu aguardo as sementes que você possa vir a lançar. Depois selecioná-las e plantar.