quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Educação Infantil, uma de minhas bandeiras de luta!

Conhecemos  a  legislação educacional que é clara:  educação infantil é a primeira etapa da educação Básica. Uma conquista história, confirmada pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação  LDB, que movimentou a educação infantil da seara da assistência social para o campo educacional, onde educar e cuidar através da brincadeira e das interações passou a ser o norteador  do trabalho, superando em muito  a vertente inicial  apenas do cuidado.
Nestes termos, agregou-se planejamento, formação, intencionalidade, profissionais habilitados e com formação em serviço,  diversas linguagens como a música, arte o movimento as ciências naturais e sociais, matemática  e demais. Tivemos grandes  conquistas embasadas em legislação e muito estudo.
Nestes sete anos que estamos a frente da Educação municipal elevamos a qualidade do atendimento prestado no sentido de cuidar e educar de nossas crianças. Podemos brevemente ressaltar algumas grandes conquistas: é garantido aos profissionais a hora atividade, onde realizam planejamento e mediações intencionais que  envolvem as várias linguagens da educação Infantil. A formação continuada que é frequentada por todos os professores  e acontece no período noturno, justamente para não prejudicar o atendimento. Implantamos avaliação diagnóstica e os portfólios com registro comprobatório do desenvolvimento de cada uma das crianças. Conseguimos uma creche do proinfância para o bairro Liberdade, onde o espaço oportuniza qualidade  e conforto ao atendimento. Nossas crianças são felizes nos centros de educação infantil que frequentam.
Poderíamos ressaltar muito mais sobre projetos, sequencias didáticas, mediações significativas, mas não é este o objetivo deste relato. Também seria possível fundamentar  e comprovar o quanto nossas crianças tem direito e precisam conviver com os seus, sejam eles pais, irmãos, tios, avós , padrinhos, pessoas  com as quais tenham laços afetivos e possam construir valores e convivência harmoniosa e feliz. O Estatuto da Criança e do adolescente afirmam esta máxima, temos outros  documentos oficiais  do Ministério da Educação e pareceres  que depois de muito estudo foram encaminhados as prefeituras  como elementos norteadores das práticas. É possível observar o quanto a nossa  sociedade está carente de tolerância, respeito, amor a si e  ao próximo, valores  que cabem a família  construir  e a escola consolidar. Só se constrói valores através de convivência.
Poderia dizer do quanto nossos profissionais de educação trabalharam e estão necessitando de férias, em igual proporção a nossas crianças. É direito de ambos.
Poderíamos dizer muito mais!
Mas  o que realmente cabe neste momento é salientar que a Prefeitura de Trombudo Central, nestes sete anos de administração, mesmo sabendo de todo o embasamento legal e toda a necessidade das crianças de convivência familiar e em outros espaços além da instituição escolar, sempre conseguiu abrir duas creches em regime de plantão no mês de janeiro, levando em consideração aquelas famílias  que tem dificuldades de deixar seus filhos com alguém para poderem trabalhar. Não pensem que não sabemos que isso causa transtornos que alguns tem realmente dificuldades, porém também é bom lembrar que  os filhos precisam ser dos pais e das famílias em primeira instância. 
Muito diferente do que algumas notícias vem sendo veiculadas, não foi uma questão de economia a medida de precisar deixar  a creche fechada por três semanas  em janeiro de 2016, muito menos falta de vontade de trabalhar, pois isto todos sabem que nós temos de sobra, tão pouco uma medida arbitrária  para dificultar a vida das pessoas, o verdadeiro motivo de necessitarmos fazer este recesso, e que foi explicado através de bilhetes, reuniões, conversas, foi a Lei de Responsabilidade  Fiscal  que em seu artigo 22,  proíbe a contratação de profissionais quando o limite prudencial de folha está acima do permitido, este fato  rejeita as  contas do município e também é fruto da crise econômica que vive todo este país. Todas as medidas anteriores a esta já foram tomadas e não surtiram o efeito necessário. Numa ação que foi contra o  interesse  do prefeito, da secretária e de muitos integrantes da equipe, queríamos manter a creche  aberta, porém é uma determinação legal do Tribunal de Contas de Santa Catarina para o cumprimento da lei.
Nenhum  administrador tomaria uma decisão desta se não fosse a única que se apresentasse e mais, basta observar os municípios vizinhos, quantos deles, pelos mais variados motivos já estão fechando as creches em janeiro ou abrindo apenas na segunda quinzena??? Digno de reflexão!
Cabe aguardar os recursos, os prazos a decisão da justiça  e as medidas a serem tomadas, porém  INJUSTO mesmo é   resumir  com críticas vazias e mal intencionadas o grandioso trabalho que nossa equipe faz na educação infantil de Trombudo Central, que pode ser  referência para muitos outros municípios do Alto Vale  e de toda Santa Catarina.   

Eu acredito no trabalho que fizemos todos estes   anos,  agradeço a equipe que realmente trabalha muito e peço ajuda aos pais para que neste momento  difícil entendam os  reais motivos  e aos que puderem acolham seus filhos e tenham certeza  que esta  atitude é decisiva na infância de todos deles.

Trombudo Central, dezembro/2015
Cátia Regina Marangoni Geremias

Secretária de Educação e do Esporte