terça-feira, 19 de maio de 2015

PRECISA-SE DE LOUCOS

"De loucos uns pelos outros! Que em seus surtos de loucura tenham habilidades
 suficientes para agir como treinadores de um mundo melhor. Que olhem a ética, 
o respeito às pessoas e a responsabilidade social, não apenas como princípios 
organizacionais, mas como verdadeiros compromissos com o Universo.

Precisa-se de loucos de paixão. Não só pelo trabalho, mas principalmente por gente,
 que vejam em cada ser humano o reflexo de si mesmo, trabalhando para que velhas 
competências deem lugar ao brilho no olhar e a comportamentos humanizados.

Precisa-se de loucos de coragem para aplicar a diversidade em suas fileiras de trabalho, 
promovendo igualdade de condições sem reservas, onde as minorias possam ter seu lugar,
 em um ambiente de satisfação e crescimento pessoal, independente do tamanho do 
negócio, segmento ou origem do capital.


Precisa-se de loucos visionários que, além da prospecção de cenários futuros,
 possam assegurar um novo amanhã, criando estratégias de negócios que estejam
 intrinsecamente ligadas à felicidade das pessoas.


Primeiro a gente é feliz, depois a gente faz sucesso, não se pode inverter esta ordem.


Precisa-se de loucos pelo desconhecido que caminhem na contramão da história,
 ouvindo menos o que os gurus têm a dizer sobre mobilidade de capitais, tecnologia
 ou eficiência gerencial e ouvindo mais seus próprios corações.


Precisa-se de loucos poliglotas que não falem inglês, espanhol, francês ou italiano,
 mas que falem a língua universal do amor, do amor que transforma, modifica e melhora.


Palavras não transformam empresas e, sim, atitudes.


Precisa-se simplesmente de loucos de amor. De amor que transcende toda a hierarquia,
 que quebra paradigmas; amor que cada ser humano deve despertar e desenvolver 
dentro de si e pôr a serviço da vida própria e alheia;


Amor cheio de energia, amor do diálogo e da compreensão, amor partilhado e divino,
 do jeito que Deus gosta.


As organizações precisam urgentemente de loucos, capazes de implantar novos modelos 
de gestão, essencialmente focados no SER, sem receios de serem chamados de
 insanos, que saibam que a felicidade consiste em realizar as grandes verdades e 
não somente em ouvi-las.


Ou resgatamos a Inocência perdida ou teremos que desistir de vez da condição de
 HUMANOS."
Madalena Carvalho
fonte: http://diariodeumadiretora.blogspot.com.br/search/label/Gest%C3%A3o%20Escolar 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eu aguardo as sementes que você possa vir a lançar. Depois selecioná-las e plantar.