segunda-feira, 23 de março de 2015

Cinco palavras sobre educação




Que momento a educação vive hoje? Manuel Castellsdiz que a escola hoje é apenas o lugar formal que nos dá um diploma, e a internet serve para aprender:“Todas as sociedades, todas as instituições, sempre são o resultado do poder e do contrapoder, sempre. Nunca de um poder absoluto. Quando o contrapoder se impõe ao que havia como poder, mudam os sistemas institucionais e tornam a começar. Nunca é o fim da história".
Para Paul Bloom, a moralidade pode ajudar na educação das crianças. De acordo com o psicólogo canadense, não é correta a ideia de que bebês nascem completamente inocentes e de que os julgamentos morais são adquiridos por meio de uma educação ruim, pelo contrário, o psicólogo argumenta que os bebês devem ser orientados à tolerância desde cedo por meio de uma cultura que ensine a inclusão. “Acredito que existam evidências de que os jovens começam separando o mundo em 'eles contra nós'. E, se não somos intolerantes, se podemos superar isso, é por causa do poder de bons pais e de uma boa cultura".
“Focar apenas nas limitações relacionadas ao Google, ou aos perigos, isso me parece unilateral. O que quero mostrar é que o Google libera energia." Para algumas pessoas, o Google limita pesquisas e conduz o usuário a sempre consumir mais do mesmo. Para outros, oferece uma multiplicidade de opções sem precedente histórico. Para uns, tais opções são apenas informações soltas – o Google estaria reduzindo a capacidade de produzir sentido. Para outros, novamente, isso não é algo ruim e implica novas formas de ensino. Segundo o historiador italiano Carlo Ginzburg, há de se considerar os interesses mercadológicos da empresa privada Google, mas também o potencial do buscador no levantamento de pesquisas com valores muito mais amplos do que apenas informacionais.
Robert Darnton, ex-presidente da Associação Histórica Americana, não se satisfez com as pesquisas e se aventurou num projeto sem precedentes: digitalizar a maior biblioteca do mundo, a de Harvard, da qual é diretor. A Digital Public Library of America foi lançada em abril de 2013, após dois anos e meio de estudos sobre o projeto, com pouco mais de 2 milhões de obras em seu acervo gratuito. Em seis meses, ampliou o número para mais de 5 milhões de livros, passando a incluir, também, fotografias, entrevistas, áudio, vídeo e outros itens de fontes como a Biblioteca do Congresso dos EUA, o Internet Arquive, a biblioteca de Harvard, dentre outros. Darnton diz que a ideia de que estaríamos na “era da informação" é errada, afinal, toda era é era da informação. “As pessoas dizem, você sabe, 'vivemos na era da informação'. Bem, toda era é uma era da informação. Mas como funcionava a propagação de informação? Esse é o meu trabalho enquanto pesquisador."
Nesse cenário, para o psicólogo norte-americano Howard Gardner“o desafio do professor é encontrar maneiras diferentes de facilitar o sucesso naquelas tarefas designadas e não assumir que ele só pode ser alcançado de uma única maneira". Gardner, conhecido por sua teoria acerca das inteligências múltiplas, afirma que ensinar de maneiras diferentes é a melhor forma de pensar a educação, uma vez que cada pessoa necessita de um modelo diferente. “Se você ensinar de diversas formas, duas coisas vão acontecer: primeiro, você vai alcançar mais jovens, ou mais adultos, porque algumas pessoas aprendem melhor com histórias, outras com filmes, com debates ou interações; segundo, dessa forma você mostra o que realmente significa saber algo, porque, se você realmente entende bem de um assunto, você pode pensá-lo de muitas formas diferentes", diz.


Fonte: http://www.fronteiras.com/artigos/cinco-palavras-sobre-educacao

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eu aguardo as sementes que você possa vir a lançar. Depois selecioná-las e plantar.