terça-feira, 29 de outubro de 2013

Breve itinerário da literatura infantojuvenil

 de Clarice Lispector

Rodrigo da Costa Araujo
Doutorando em Literatura Comparada/UFF

Meu enleio vem de que um tapete é feito de tantos fios que não posso me resignar a seguir um fio só; meu enredamento vem de que uma história é feita de várias histórias. Clarice Lispector, Os Desastres de Sofia. In: Felicidade Clandestina, 1988, p. 100.
[...] na infância as descobertas terão sido como num laboratório onde se acha o que se achar? [...] Mas como adulto terei a coragem infantil de me perder? Perder-se significa ir achando e nem saber o que fazer do que se for achando. Clarice Lispector, A paixão segundo G.H., 1998, p. 13.
Clarice Lispector (1925-1977) é, sem dúvida, um dos maiores nomes da literatura em língua portuguesa. Sua prosa, insólita por excelência, é saudada por diversos críticos, traduzida em diversos países e motivo para diversas indagações literárias. No entanto, sua obra para o público infantojuvenil é nada ou quase nada comentada. Muitos leitores até não conhecem esses livros.
Dialogando com a literatura adulta ou aproximando-se dela, sua produção para crianças é repleta de intertextualidades, paródias e paráfrases e, por seu caráter inovador nos meados da década de 1960, estabeleceu uma nova linguagem no gênero destinado ao leitor desse gênero. O mistério do coelho pensanteA mulher que matou os peixesA vida íntima de Laura, Quase de verdade e Como nasceram as estrelas são os títulos que agradam a todas as idades, apesar de serem classificados de “literatura infantil”.
Esses livros, na verdade, utilizam o narrador adulto para dialogar com as crianças sem disfarçar sua condição de adulto e sem abrir mão de discutir temas e atitudes importantes para qualquer ser, como a liberdade, o direito de ser, a morte, a alienação, a inexorabilidade do tempo e a condição do ser. Todos eles inauguraram uma nova linguagem na literatura infantojuvenil brasileira carregada de contradições, conflitos e indagações na relação adulto-criança, mãe-filho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Eu aguardo as sementes que você possa vir a lançar. Depois selecioná-las e plantar.